Ministério Público cumpre mandados de busca e apreensão na Prefeitura de Bom Jesus do Itabapoana

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, por meio do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ), realizou nesta quinta-feira (09) operação em Bom Jesus do Itabapoana para cumprir mandado de busca e apreensão no setor de licitação da Prefeitura. O pedido teve por base denúncia apresentada e recebida pela Justiça que acusa a ex-prefeita de Bom Jesus de Itabapoana, Branca Mota; o ex-secretário municipal de Obras, Transportes e Serviços Públicos, Miguel Angelo Barbosa Motta; além do arquiteto Leopoldo Guilherme Laborne Mathias e do gerente das Indústrias Reunidas Bom Jesus Ltda., Luiz Fernando Boechat Garcia, pela prática dos crimes de quadrilha, falsificação e uso de documento público e peculato. O Cumprimento dos mandados conta com o apoio de agentes da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ).

De acordo com a denúncia, entre novembro de 2009 e dezembro de 2011 os denunciados associaram-se para cometer crimes contra a administração pública. O grupo é acusado de utilizar documentos com dados forjados para vencer a concorrência na licitação por menor preço e fechar contrato com o Município para a realização de obras de revitalização do Centro e da Praça Governador Portela. Os recursos foram obtidos pela municipalidade via Plano de Apoio ao Desenvolvimento das Municipalidades do Estado do Rio de Janeiro (PADEM). Ainda segundo a denúncia, a Empresa Indústrias Reunidas Bom Jesus foi a vencedora da licitação articulada pela então prefeita que “angariou aporte financeiro para o Município mediante convênio para, em seguida, chancelar a execução da obra superfaturada e autorizar os pagamentos respectivos, dando concretude à atividade criminosa”, aponta trecho do documento.

O aporte total ao Município vila PADEM foi de R$ 3.192.282,27. Deste montante, R$1.987.282,27 foram destinados especificamente à obra do Centro e Revitalização da Praça Governador Portela. Os denunciados teriam se apropriado de pelo menos R$ 170 mil em razão da execução fraudulenta do contrato, segundo apontou parecer técnico do Grupo de Apoio Técnico Especializado (GATE/MPRJ). O parecer também apontou serviços não executados e valores excessivos orçados para luminárias, entre outros produtos. A análise se deteve em 28,11% da obras, em razão do Município não ter apresentado ao MP especificações da obra e estimativas de preço, o que inviabilizou a análise da economicidade de forma integral. Cálculo realizado na elaboração da ação penal, por meio da ferramenta MP em Mapas, demonstrou, ainda, que o  gasto na reforma do Centro e da Praça representou cerca de 2/5 da receita anual de Bom Jesus de Itabapoana, em 2013, que totalizou R$ 5.082.038,90.

Com base nos pedidos do MPRJ, a Justiça determinou aos réus a proibição de ausentarem-se da comarca por mais de 20 dias e também de exercerem funções públicas ou atividades econômicas e financeiras junto à administração pública no município de Bom Jesus. Também deverão comparecer periodicamente ao Tribunal e participar de todos os atos do processo, sob pena de decretação de prisão em caso de descumprimento.

 Rádio Natividade

Obrigado por acessar nossa página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s